EMAGRECIMENTO: PSICOLOGIA NÃO É MAGIA!

     Com certeza, a área mais negligenciada no tratamento da obesidade e sobrepeso é a da psicologia, a menos conhecida, pouco tangível e mal divulgada. Além da abordagem médico-nutricional e da atividade física, o acompanhamento psicológico deveria estar presente na maioria dos casos.

Na prática o tema é pouco abordado, inclusive por grande parte dos médicos, e mal compreendido pelo paciente, que ou não lhe dão nenhum crédito, ou dela espera a “magia”: SER EMAGRECIDO pela psicologia. Sim, na maior parte das vezes a expectativa de quem procura a psicologia visando emagrecimento é de o resultado ocorra como num passe de mágica! Rapidamente, como se o profissional pudesse misteriosamente resolver o problema de peso, posicionando-se ele, cliente, de forma passiva.

É preciso que nós, profissionais da área, sejamos mais claros ao informar ao cliente acerca da atuação da psicologia afim de que possa rever suas expectativas.

Em primeiro lugar, a psicologia não “substitui” qualquer outra face do tratamento. Mas a complementa e sem ela, muitas vezes o restante se torna inviável.

 

  • A obesidade é doença crônica e variada. Não existe “obesidade única”, mas “obesidades”.
  • Na maior parte dos casos o histórico é longo. A pessoa já fez inúmeras dietas, perdeu e ganhou peso, isso quando conseguiu emagrecer.
  • A ansiedade e outras emoções podem estar presentes como “causa” da alimentação excessiva ou como efeito da própria obesidade.
  • O gordo sofre discriminação social, o que prejudica sua vida pessoal, afetiva, profissional, enfim, seu funcionamento como pessoa. Como conseqüência, há o afastamento da vida social ou a criação de personagens, como estratégia de sobrevivência: a amiga legal, a gordinha simpática, a confidente e outras.
  • Quanto mais antigo o histórico de excesso de peso, maior a chance de comprometimento da imagem corporal, a forma pela qual a pessoa se vê acompanhada das emoções e sentimentos em relação e das reações a essa percepção.
  • A compulsão alimentar está presente em 25 e 56 % dos casos de obesidade/sobrepeso e se não for tratada inviabiliza qualquer projeto de emagrecimento.
  • O estilo de vida, de pensamento, valores, deve ser mudado para o resto da vida. O emagrecimento começa pela cabeça. Ou pode terminar nela…
  • O gordo pode ter ganhos secundários por permanecer gordo e habitualmente não ter consciência disso. E, se houver um conflito entre a vontade consciente e a resistência inconsciente, vence o inconsciente.
  • Ele será magro SE e ENQUANTO permanecer em tratamento. A perseverança, a tolerância à frustração, a descoberta de novos prazeres deverão ser incentivados.
  • Emagrecer e PERMANECER MAGRO é muito mais que fazer mais uma dieta por algum tempo para perder algum peso. Envolve a redescoberta da pessoa, o resgate de sua auto-estima.

 

Então, psicologia não é magia! É trabalho continuo e pode ser o fator decisivo de sucesso ou não nessa empreitada.

                                     Dr. Marco Antonio De Tommaso

  • Psicólogo e psicoterapeuta pela Universidade de São Paulo
  • Atuou no IPQ do Hospital das Clínicas em atendimento e pesquisa
  • Credenciado pela Assoc Brás para Estudo da Obesidade.
  • Articulista da revista Boa Forma “Divã”
  • Ansiedade, compulsão alimentar, emagrecimento
  • Consultor da Unilever – Dove no Programa Dove pela Auto-estima
  • Assessoria psicológica para modelos e agências
  • Consultor do site www.giselebundchen.com.br

11 – 3887 9738                                          www.tommaso.psc.br                      [email protected]