Regime x reeducação alimentar

“Regime” é uma das mais temidas palavras da língua portuguesa! Tem cara de “tudo ou nada”, de “proibido”, da “faço ou não faço”. Tem implícitas premissas do tipo “tranque a boca”, “campo de concentração todo mundo é magro”.

Tudo é proibido! Uma punição a cada refeição… Provoca ansiedade, stress, raiva, deprime. Tem sérias conseqüências na vida pessoal e social da pessoa. A culpa é permanente por algo que não fez ou acha que não fez… Ou por algo que fez…A aderência a médio prazo é zero…Um convite à compulsão alimentar…A autoestima desopenca…

Reeducação alimentar é um processo de aprendizagem. Baseada em conhecimentos científicos, na história de vida da pessoa, em seu estilo pessoal, preferências, a (o) nutricionista vai modelando o comportamento alimentar, adequando ao repertório da pessoa, que precisará dele para o resto da vida. È fundamental porque é definitivo. Ferramental para o presente e o futuro. Quem tem problema de peso deve ter em mente que a mudança de comportamento alimentar será para o RESTO DA VIDA. Para isso, ela deverá ser equilibrada, personalizada, SABOROSA! Não é possível manter um comportamento complexo como o alimentar se não houver prazer! Essa mudança de comportamento deverá ser lenta, muitas vezes por tentativa e erro. Cuidar do processo para que a perda de gordura venha como conseqüência. O objetivo é emagrecer E PERMANECER SAUDAVELMENTE MAGRA.

Psicologicamente, emagrecer é mudar estilo de vida. É mudar comportamentos e automatizá-los, gerando novos hábitos. Um comportamento precisa ser repetido para se tornar um hábito e para isso precisará ser prazeroso. Um conjunto de hábitos saudáveis define um novo estilo de vida.

Resumindo, se seu não posso comer o quero eu quero, devo ser treinado a comer aquilo que gosto, de forma parcimoniosa. E aprender a gostar daquilo que eu preciso. Afinal, o alimento não é só nutrição. É amor, afeto, carinho, celebração.

Não faça “regime”! Invista na reeducação nutricional! Seu psiquismo agradece!