Psicoterapia: Mudando a forma de encarar a vida

Nosso comportamento não é uma reação à realidade em si, mas a avaliação que dela fazemos, de como a avaliamos, da nossa forma particular de encarar a vida.

Essa avaliação decorre de diversos fatores : biológicos (existem pessoas mais vulneráveis ao stress), psicológicos (nossa história de vida, educação, as experiências pelas quais passamos ao longo de nossa existência), sociais, culturais, religiosos e outros. Interagimos com a realidade com toda nossa bagagem.

Avaliações distorcidas levam a comportamentos distorcidos e nos fazem sofrer e nos prejudicam em todos os setores da vida.

As lentes pelas quais avaliamos o real são adquiridas e interiorizadas ao longo de nossa vida. Atuam automaticamente, sem que nos apercebamos, como regras gramaticais. Pensemos como seria desgastante e trabalhoso se, ao invés de dizer “nós vamos” ao conjugar o verbo “ir, tivéssemos de pensar” bom, o pronome nós é primeira pessoa do plural e sua concordância é…”, o que constitui enorme economia de tempo e energia”.

Então as regras, as lentes pelas quais respondemos ao meio ambiente, são formas interiorizadas que regem nosso comportamento sem que as questionemos. Porém nem todas as nossas crenças são verdadeiras. Reagimos de acordo com o que acreditamos, mas nem tudo em que acreditamos é necessariamente verdadeiro. Muitas dessas crenças são “mentiras que aceitamos como verdades” e que produzem emoções, sentimentos, sensações e comportamentos errôneos, inadequados. Na ansiedade, por exemplo, podemos avaliar como ameaçadoras situações que não envolvem perigo e reagirmos a elas com medo infundado, compatível apenas com a avaliação que fizemos de perigo e não com o perigo real. Muitas de nossas preocupações decorrem da antecipação de um perigo futuro que não ocorrerá, mas que nos faz sofrer intensamente por antecipação e que nos tira a possibilidade real de nos prepararmos para o futuro. Na depressão avaliamos negativamente a nós mesmos, a vida em si e o futuro e temos uma visão altamente pessimista.

Avaliações distorcidas implicam sentimentos distorcidos, sofrimento, dificuldades pessoais, profissionais e afetivas, prejudicando nossa qualidade de vida.

A psicoterapia visa promover o autoconhecimento, o crescimento pessoal, identificar e tratar emoções negativas, corrigir crenças errôneas, mudando a maneira de encarar a vida e promovendo melhor qualidade de vida e promovendo maior felicidade.