Psicologia no emagrecimento: os acordos nossos de cada dia

Todo processo de emagrecimento implica, entre outras coisas, numa redução qualitativa e /ou quantitativamente do alimento. Em determinados momentos há uma tendência a “sair da dieta”, como se diz popularmente. Isso provocaria um sentimento de culpa, fracasso e ineficácia, se fosse racionalmente admitido. Aí ocorrem os “acordos” que as pessoas fazem consigo mesmas: “Só hoje…”Eu mereço…” Já que eu trabalhei demais, então”…”Amanhã eu começo…”Quer saber?”…

E por aí vai…Esses acordos visam atenuar a culpa e ansiedade e justificar em curtíssimo prazo o excesso….Só que a culpa volta depois em grau muito maior, reforçado pela sensação de ineficácia.

Quando são formulados, a pessoa é honesta e acredita que irá, efetivamente, cumpri-los. Claro que isso não ocorrerá. O mais provável é que o ato constitua o precedente, a concessão, para um abuso muito maior, com culpa maior, mais excesso, mais culpa, em círculos viciosos…Acredite, você não cumprirá esse acordo! Não o faça! Mais, se conseguir vencer a sensação, não abusar trará muito mais prazer que o efêmero prazer de curtíssimo prazo que você sentirá, se o sentir, por ter comido!

Lembre-se! Emagrecer implica em adiar uma gratificação de curtíssimo prazo, comer, por outra de médio prazo, perder gordura, muito mais gratificante!