Dietas loucas

Quando falamos em emagrecimento subentendemos perda definitiva de tecido gorduroso. Perder gordura e não engordar mais requer tempo, paciência, perseverança. Pré supõe reorientação nutricional, atividade física e equilíbrio emocional. Se você quer emagrecer, não se iluda: tem de mudar estilo de vida para o resto da vida!

Uma das maiores tentações de quem precisa emagrecer é “abreviar” o processo. Aí entram em ação as “magias”…Remédios (falaremos disso em outro artigo) habitualmente indicados pela “Dra Amiga”, métodos estapafúrdios, como palmilhas, toalhas, injeção disso e daquilo e outros, e as famosas dietas “malucas”…Dieta da USP (que não tem nada a ver com a USP), dieta da sopa,da lua, do sol, do abacaxi, do que você quiser…Lembre-se que se você pensar na tenebrosa palavra “regime” e não em reorientação alimentar, deu o primeiro passo para fracassar. VOCÊ VAI PRECISAR DE ADERÊNCIA E NINGUÉM AGUENTA UMA DIETA LOUCA POR MUITO TEMPO!!

Uma dieta “louca” significa punição, privação, algo provisório, que se faz hoje para deixar de fazer amanhã. Algo que se faz ou não se faz (ou a pessoa “está de regime” e não come nada, ou “não está de regime” e aí come desesperadamente). Não resolve, ao contrário, inviabiliza programas de emagrecimento. Uma dieta “louca” a priva de nutrientes, da vida social, do equilíbrio emocional e não dura! Além de gerar problemas metabólicos.

Quais as conseqüências psicológicas de uma dieta louca?

Dieta louca preocupa-se apenas com a perda PROVISÓRIA de peso. Não serve para mudar estilo de vida. Suponhamos que você seja uma heroína e consiga perder peso. Após a perda provisória de peso (provavelmente de massa magra e água) começa haver preocupação excessiva com comida. Surgem problemas emocionais decorrentes da inanição, levando a prejuízos sociais, profissionais, afetivos, inclusive com diminuição do interesse sexual. Seu organismo começa a “economizar combustível”. Em seguida pode apresentar compulsão alimentar, alternando dieta rígida X comilança incontrolável e isso implica em sensação de fracasso, culpa, falta de controle, aumento da ansiedade, depressão e do sentido de incapacidade. E o tal emagrecimento, se houver, se dá via tecido magro…A auto-estima…

Sem trabalho nutricional e psicológico, sem atividade física (você não terá energia!) constata-se que, ao emagrecer, se o conseguir, nada mudou, só o peso (se é que mudou). Os problemas subjacentes que se refletem na alteração da relação com o alimento PERMANECEM INALTERADOS (provavelmente muito piores) e a pessoa também não chegou “à terra prometida da felicidade”.

A piora emocional impedirá a reorientação alimentar e daí…Caso tenha conseguido perder algum peso, não se iluda…A volta do peso anterior é certa e com juros e correção.

O resultado será o fracasso… Mais um fracasso…

Pense bem antes de mergulhar numa dieta louca…