De coadjuvante a protagonista: a ressocialização do obeso

O peso muda antes que a cabeça, pense nisso. O emagrecimento não garante outras mudanças. O tamanho do corpo diminuiu. E daí? Está “tudo solucionado?”

Novos padrões de comportamento são requeridos. O estigma da obesidade tem de ser vencido. Novos papéis, novas expectativas. A revisão das expectativas anteriores. Como é estar magra?

Como é a passagem de coadjuvante a protagonista?

Quanto mais antigo o problema, teoricamente falando, maior a necessidade. Alteração da imagem corporal, desenvolvimento de comportamentos defensivos ao estigma da obesidade, autoestima afetada, evitação de situações sociais, reação ao preconceito, , ansiedade primária ou reativa, possibilidade de “gordura fantasma”, para citar apenas alguns, deverão ser tratados.

A ressocialização do obeso é uma importantíssima e decisiva etapa do trabalho psicológico no tratamento da obesidade. Sua readaptação ao “mundo magro”. A negligência destes aspectos “pós emagrecimento” pode inviabilizar a manutenção do novo peso.