Compulsão alimentar: também uma sensação

A compulsão alimentar ou episódios de comer compulsivo, por definição, consiste na “ingestão de uma grande quantidade de comida em período curto de tempo”. Essa quantidade é definida como “definitivamente superior do que a maioria das pessoas conseguiria comer durante um período de tempo igual e sob circunstâncias similares”.

Mas, a característica básica dos episódios compulsivos é a presença da sensação de falta de controle sobre o que e o quanto come.

Por exemplo, uma pessoa que vá a um rodízio de carne ou pizza, ou a uma feijoada, o faz por prazer e consciente de que irá comer mais, bem além do limite de saciedade. Sabe que é uma circunstância atípica e antes, durante e depois, não é acometida de pensamentos, sensações e emoções negativas.

O que difere da compulsão alimentar? Em nosso amigo que foi ao rodízio a lambança alimentar não contaminou o comportamento futuro. Fica restrito àquele episódio. Na compulsão alimentar se a pessoa sentir a sensação de falta de controle, mesmo que não tenha exagerado na alimentação, aciona o gatilho de outros episódios compulsivos. Quando come um único brigadeiro e sente que perdeu o controle, estando em dieta, por exemplo, essa sensação desencadeia uma gama de emoções e pensamentos que o leva de novo ao prato e a outros episódios, aí sim, autênticas orgias alimentares. Na clínica podemos observar que muitas pessoas que precisam emagrecer e tem o problema trabalham mentalmente no “tudo ou nada”. Caso comam um bombom devoram a caixa toda e mais. Ou estão em uma dieta drástica ou se excedem copiosamente. Perdido por um…

O glutão para de comer e não pensa mais em comida por algum tempo. O compulsivo para de comer e continua pensando em comida. Arrependido, jura não maiôs fazê-lo, até o próximo episódio.

Os sentimentos narrados pelos compulsivos são muito diferentes do comilão não compulsivo. Durante a comilança, compulsivos alimentares e bulímicas referem confusão de sentimentos, vontade de comer tudo o que vem pela frente, sensação de fraqueza, muita ansiedade.. Terminado o episódio compulsivo os sentimentos são de raiva, tristeza, sensação de fracasso, arrependimento e culpa.

É necessário considerar, mais que o conceito de compulsão, a pessoa que a apresenta. O que ela avalia como excesso, o que sente antes, durante e depois desses episódios. E a reação a essa sensação.