“COMER INTUITIVO” E COMPULSÃO ALIMENTAR

A alimentação “ideal” deve respeitar o binômio  fome- saciedade.  Deve conter os nutrientes necessários e ser individualizada ao paladar e às necessidades de cada pessoa. Esse paladar sofre influências da cultura, da experiência familiar, da sociedade. Idealmente, a quantidade deveria ser tal que a pessoa não engorde nem emagreça.

Nos animais, o mecanismo “fome- saciedade” regula essa quantidade. A idade, atividade, a temperatura, entre outros, interferem nesse quantum.

Para os seres humanos a comida não é só nutrição. É amor, afeto, carinho, celebração. Mas, pode estar contaminada por ansiedade, depressão, stress, tristeza, por busca de reequilíbrio emocional.

Psicologicamente a pessoa candidata a esse comer ideal deve estar livre de pensamentos perturbadores, de sentimentos de culpa por ter comido isso  ou aquilo ou de mecanismos tipo tudo ou nada. A “cabeça magra” se permite  comer um bom bom sem devorar  a caixa toda. Comer um pedaço de bolo sem se sentir culpada. Diz “não” quando não tem vontade. Se se exceder não morre de remorso  e não  faz jejum para compensar. Ignora a “Lei do Jaque”…Já que eu comi um chocolate…O famoso perdido por um…A mente magra está livre de dietas ou regimes. O mecanismo fome saciedade é eficiente e Automático.

Na compulsão alimentar esses fatores dissonantes estão presentes. O compulsivo não come só por fome  e até atenuar essa fome…Come por ansiedade e por emoções que ele próprio não identifica mas que o levam ao atol e que, em curtíssimo prazo, aliviam a tensão. Confundem  outras  emoções com fome. A esse estado de confusão e analfabetismo emocional damos o  pavoroso nome de ALEXITIMIA…Mas, deixa pra lá… Dizer ao compulsivo “coma um pouco de tudo” é dar uma lata de cerveja a um alcoólatra. Ele precisa de referencias, de quantidade e de qualidade, por que simplesmente não as tem.

Psicologicamente precisa identificar as emoções que a levam ao prato e TRATÁ-LAS. Resignificar essas emoções.

No projeto de emagrecimento o peso mudará antes que a cabeça. Mas, se a pessoa emagrecer e a cabeça continuar “gorda”…

O comer intuitivo é um objetivo final a ser conquistado, não é o ponto de partida.

Poderíamos resumir assim: “Já que eu não posso comer o quanto eu gostaria eu devo ser trabalhado nutricional e PSICOLOGICAMENTE para comer o que eu gosto, de forma parcimoniosa”.

 

Dr. Marco Antonio De Tommaso
–  Psicólogo e psicoterapeuta pela Universidade de São Paulo
–  Atuou no IPQ HC USP em pesquisa e atendimento
–  Credenciado pela Assoc Bras para Estudo da Obesidade
–  Consultor da Unilever – Dove de 2004 a 2010

–  Tratamento da ansiedade e da compulsão alimentar

–  Articulista da revista Boa Forma “ Divã”
–  Assessoria psicológica para modelos e agências

–  Consultor de psicologia do site www.giselebundchen.com.br (Em reformulação)

 
11 – 3887 9738    www.tommaso.psc.br  [email protected]

http://tommasopsicologia.blogspot.com/

 

http://www.facebook.com/marcoantonio.detommaso.5

 

fanpage   https://www.facebook.com/drmarcotommaso

 

Rua Bento de Andrade, 121    Jardim Paulista     São Paulo