Comendo por raiva

A raiva é uma emoção natural que gera um impulso ou reação para lutar. Ocorre diante de uma ameaça simbólica ou real à nossa auto estima , dignidade. Quando recebemos tratamento indelicado, quando nos sentimos injustiçados, quando um direito nosso é desrespeitado ou não o reivindicamos ou, ainda, quando não conseguimos dizer “NÃO” na hora oportuna a uma solicitação que não poderíamos atender.
A primeira manifestação de raiva ocorre no bebê quando esperneia ao sentir fome sendo sanada pelo leite materno ou mamadeira. O mesmo mecanismo ocorre quando o bebe sente sede, cansaço, sono, trem as fraldas molhadas, está assado. Mais tarde a criança sente raiva do coleguinha que bate nela.

No processo de educação, a escola, a família, a religião mostram como “é feio” expressar esta raiva.
“Educação” para uns, “virtude” para outros, aprendemos a “engolir” a raiva, o que tem enorme custo. Raiva interiorizada passa a nos deprimir. Quando rompemos um relacionamento substituímos a raiva pela culpa. Diante de um apelido indelicado a menina não expressar a raiva, mas sente-se humilhada.

A raiva desencadeia os mesmos mecanismos fisiológicos do stress : adrenalina, nor adrenalina, cortisol, impulso contido para a luta…fome !

Além disso, quando não conseguimos expressar adequadamente a raiva, podemos voltar ao estágio primário, onde a raiva era atenuada pela…comida. Comer, relaxar…
Agredir, puramente, aumenta a culpa e não tem efeito sobre nossa auto-estima.
Omitir provoca bloqueio da mesma e, que por si só, promove realimentação da raiva.
“Dar porrada” ou “engolir sapo” podem levar à comida… O que fazer?

É fundamental que desenvolvamos assertividade, que pode ser definida como a comunicação adequada das emoções, sem ansiedade. A comunicação do descontentamento com o fato, com a situação, com o comportamento que provocou a raiva. A comunicação assertiva envolve a afirmação dos próprios direitos e expressão de pensamentos, sentimentos e crenças de maneira direta, honesta e apropriada que não viole o direito das outras pessoas.

Assertividade é uma habilidade a ser exercitada. É um tremendo facilitador em nossos relacionamentos e a única solução para expormos sentimentos, direitos, limites. O comportamento assertivo melhora nossa auto estima e evita a ruminação e a agressividade. Evidentemente, nos levará a comer menos…

O trabalho de assertividade merece capitulo a parte dentro de uma psicoterapia, especialmente quando visa emagrecimento. Como fomos educados para “sermos bonzinhos”, “darmos o outro lado” ou “darmos pancada”, HABITUALMENTE NÃO SOMOS NATURALMENTE ASSERTIVOS. Por isso é UMA COMPETENCIA A ASER DESENVOLVIDA!

G. 27 anos sempre foi filha submissa. A “boazinha” da casa. Aquela que fazia “tudo para o bem dos irmãos”, que “compreendia” as divergências dos pais. Casou-se e manteve a mesma linha de conduta em relação ao marido. Três anos depois, separou-se e voltou a estudar. A posição familiar era de resistir ao seu progresso. Na medida em que se submetia comia ansiosamente e engordava. Todos os relacionamentos tinham um denominador comum : seu excesso de disponibilidade. No tratamento psicoterápico passou a trabalhar estes aspectos comuns: não posicionamento, excesso de disponibilidade, submissão, auto desvalorização. Quando passou a se posicionar, sentiu a estranheza das pessoas que a cercavam e que se acostumaram a vê-la submissa. Pouco a pouco, na medida em que trabalhava a raiva reprimida, expressava sentimentos, resgatava a individualidade e reivindicava os próprios direitos, a fome emocional foi desaparecendo e seu peso baixando de “dentro para fora”. O posicionamento assertivo dava-lhe novas formas de expressão de sentimentos, que outrora iam para a comida.